5 dicas de como resolver problemas com colunas cromatográficas

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
pessoa segurando uma coluna cromatográfica

As análises exploratórias são de extrema importância para que se avalie a qualidade e condições de colunas cromatográficas após sua instalação no equipamento cromatográfico. 

Essas análises são feitas com soluções de padrões e amostras, comparando com resultados já conhecidos. 

Apesar das colunas para cromatografia possuírem capacidade de alta reprodução mesmo após várias análises e meses de uso, a sua vida útil é finita, assim como seu desempenho vai diminuindo com o passar do tempo. 

Apesar de não poder evitar o fim da vida útil de uma coluna, pode-se adotar algumas medidas que façam com que ela dure mais e impedir um encurtamento da vida útil. 

A seguir estão algumas dicas de como resolver problemas com as colunas objetivando melhor desempenho. Acompanhe!

Problemas com colunas cromatográficas: 5 dicas para evitá-los

1 – Utilizar sempre amostras filtradas corretamente

Amostras sujas que são injetadas no sistema cromatográfico, ou então aquelas que não são filtradas de forma correta, causam extremo prejuízo à coluna, além de todas as outras partes do cromatógrafo líquido de alta eficiência. 

Os componentes de uma amostra não filtrada podem precipitar dentro da coluna, além de poder desativar o gel de sílica, promover reações químicas, e ainda influenciar nos efeitos de força iônica e/ou força do solvente. 

Os problemas observados decorrente da utilização de amostras sujas podem ser resolvidos principalmente com a filtragem adequada, com auxílio de filtros de seringa de tamanhos de 0,22 e 0,45 um de todas as amostras que são injetadas no sistema cromatográfico. 

Ademais, as pré-colunas são equipamentos muito recomendados para que possíveis partículas sejam retidas antes de entrar na coluna principal.

2 – Utilizar metodologias que sejam compatíveis com a coluna

A combinação correta entre coluna e fase móvel também são fatores que devem ser considerados antes do desenvolvimento e validação de um método analítico e/ou análise de uma amostra. 

Os parâmetros que devem ser considerados são quanto à polaridade de fase estacionária e fase móvel, valor de pH da fase móvel, temperatura de forno estabelecida e fluxo de fase móvel.

As recomendações estabelecidas são: utilizar fases móveis com pH os quais a coluna cromatográfica suporta, sempre verificando a faixa estabelecida pelo fornecedor; a faixa de temperatura do forno deve sempre ficar entre 4 – 40 ºC, sendo essa considerada a faixa ótima de trabalho. 

No entanto, para análises de curto tempo ainda podem ser utilizadas temperaturas que vão de 45 – 50 ºC. O fluxo da fase móvel não pode exceder o recomendado, uma vez que pode danificar as partículas da fase estacionária assim como causar um aumento excessivo de pressão do sistema cromatográfico, o que consequentemente causa prejuízo à coluna.

3 – Sempre armazenar as colunas de forma correta, preferivelmente em suas embalagens originais

Durante seu armazenamento, as colunas cromatográficas devem permanecer com suas extremidades fechadas, de forma a evitar a secagem do seu conteúdo interno, fazendo com haja perda total da coluna. 

Além disso, é preferível que elas sejam guardadas em suas embalagens originais, fornecida pelos fabricantes como forma de evitar confusões e mistura de especificações, uma vez que as colunas cromatográficas podem apresentar especificações diferentes de acordo com seu material interno, fabricante, polaridade, entre outros parâmetros. 

O solvente utilizado para armazenar a coluna também deve ser avaliado depois da análise cromatográfica. A lavagem, assim como o armazenamento de colunas, deve ser realizada com solventes apróticos, preferencialmente acetonitrila.

4 – Verificação da pressão do sistema cromatográfico

Apesar das colunas serem mecanicamente bastante estáveis os choques de pressão devem ser evitados, já que podem formar canais no empacotamento da coluna, levando a quebra dos picos nos cromatogramas.

A pressão máxima que a coluna aguenta varia de acordo com a sua marca, e sempre as especificações do fabricante devem ser levadas em consideração.

5 – Inverter a coluna

Caso haja o entupimento da coluna cromatográfica, decorrente de alguma má utilização, pode-se desconectar os detectores e lavar a coluna de forma invertida, com um solvente de alta eluição, como acetonitrila ou metanol (no caso de fase reversa). 

Além disso, é necessário realizar a substituição dos conectores que estão contaminados, entupimentos ou que apresentem algum deterioramento. 

Todos os cuidados tomados com as colunas cromatográficas assim como seguir as orientações e especificações de seus fabricantes favorecem para o prolongamento da vida útil, conferindo bons e confiáveis resultados de suas análises.

Esperamos que tenha gostado do conteúdo!

E se precisa de mais informações ou de orçamento de colunas cromatográficas, fale conosco!

Utilizamos seus dados para analisar e personalizar nossos conteúdos e anúncios durante a sua navegação em nosso site e em serviços de terceiros parceiros. Ao navegar pelo nosso site, você autoriza a Modum Tech a coletar tais informações e utilizá-las para estas finalidades. Em caso de dúvidas, acesse nossa Política de Privacidade.