Voltar para Padrões de Referência

produtos

Hidroxicloroquina

Mediante a incansável busca pela cura contra o novo Corona Vírus, a Modum Tech mais uma vez estará na linha de frente com o fornecimento de padrões de referência. É importante reforçar que nossos produtos não são medicamentos, em qualquer tipo de situação, nossos produtos jamais deverão ser utilizados para consumo humano, pois padrões de referência não seguem diretrizes de produção ideais ao consumo humano.

A Cloroquina não é um medicamento recente, seu uso é apontado desde os anos 1940, quando o medicamento foi direcionado contra a Malária. Atualmente o medicamento mais utilizado é a Hidroxicloroquina e não apenas contra malária, mas também para tratamentos contra afecções reumáticas, artrite reumatoide, lúpus eritematoso sistêmico e discoide.

Pesquisas recentes apontaram eficácia do medicamento contra o COVID-19, algumas fontes sugerem ainda o uso da hidroxicloroquina junto com Azitromicina. O estudo em pacientes apontou que a hidroxicloroquina foi capaz de curar os pacientes em 6 dias, 100% dos infectados testaram negativo após o tratamento.

O medicamento original possui o nome de Plaquenil e diversos laboratórios no mundo já possuem o direito de produção. Aqui no Brasil nós não conseguimos obter a lista completa, mas sabemos que laboratórios como Apsen, Sandoz e EMS já possuem registros na ANVISA.

A principal ação da hidroxicloroquina no combate ao COVID-19 consiste na alteração do pH das células, deixando-as mais alcalinas. Essa alteração acaba prejudicando a reprodução do vírus no organismo, sem reprodução a infecção acaba e o paciente infectado torna-se recuperado.

Entretanto a super dosagem do medicamento ou o uso crônico podem causar sérios danos ao sistema ocular como retinoplatia, além de ser contra indicada a pacientes com hipertensão sensível a 4-Aminoquinoline. O uso do produto também pode causar vômitos, náuseas e diarreias.

Nos EUA o medicamento está aprovado para uso médico desde 1955 e dois grandes produtores Mylan e Teva, pretendem alterar a produção para larga escala a fim de atender a possível demanda prestes a surgir, já com o apoio e possíveis subsídios do governo americano. A Teva inclusive aponta uma possível doação de 6 milhões de doses.

Já no Brasil, devido a grande demanda recente pelo produto, a ANVISA recentemente colocou o medicamento na lista de controlados, para garantir o abastecimento de pacientes que já utilizam o produto no trato de suas doenças.

Hidroxicloroquina | Como a Modum Tech poderá colaborar?

Sabemos que todos os fármacos produzidos no Brasil passam por uma exaustiva jornada de testes e validações para garantir a qualidade do produto e posterior registro, além da demanda diária de testes no controle de qualidade. Para os testes químicos, faz se necessário o uso de padrões de referência, os mesmos devem acompanhar certificado que garanta os resultados e assegure seu uso. Por esse motivo a Modum Tech (Colocar link Home) oferece aos clientes brasileiros que produzam a hidroxicloroquina padrões de referência da Axios Research Inc, muitos deles ainda não disponíveis na USP.

  • Hydroxychloroquine Sulfate – CAS 747-36-4 – Código Axios Research – AR-P11711
  • R-Hydroxychloroquine D4 – CAS Não Informado – Código Axios Research – AR-C02474
  • S-Hydroxychloroquine D4 – CAS Não Informado – Código Axios Research – AR-C02473
  • Hydroxychloroquine Impurity I – CAS Não Informado – Código Axios Research – AR-C02478
  • Hydroxychloroquine O-Acetate – CAS 47493-14-1 – Código Axios Research – AR-C02475
  • Hydroxychloroquine Impurity E – CAS Não Informado – Código Axios Research – AR-C02480
  • Hydroxychloroquine Impureza A – CAS 1449223-88-4 – Código Axios Research – AR-C02479
  • Hydroxychloroquine Impureza F EP – CAS 6281-58-9 – Código Axios Research – AR-C02485