Características de um padrão primário: o que é preciso saber

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
padrão primário - cientista realizando experimento

Quais as características de um padrão primário? O que o define e o diferencia de um secundário? E o reagente primário, o que é? 

Para começar, é preciso saber que há diversas situações e áreas que envolvem a indústria farmacêutica, como a necessidade de identificar certo composto em uma determinada forma farmacêutica e a utilização de substâncias que vão ser utilizadas como referência para essas análises. 

Esses compostos que são comumente utilizados para a caracterização, identificação e quantificação de um analito de interesse, são chamados de padrões.

Os termos relacionados a padrões, podem gerar algumas dúvidas, principalmente em relação a definição e conceitualização. Padrões de referência, padrão primário, padrão secundário, por exemplo.

Para esclarecer, definimos esses conceitos e então focamos nos padrões primários, nosso tema de hoje. Acompanhe!

O que é um padrão de referência?

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANIVSA) define padrão de referência, como exemplares de fármacos, impurezas, produtos de degradação, reagentes, dentre outros, altamente caracterizados e da mais elevada pureza, cujo valor é aceito sem referência a outros padrões. 

Uma vez que, a partir dos métodos de caracterização desse padrão, a sua pureza já vai ser confirmada.

O padrão secundário

Ainda de acordo com a ANVISA, um padrão secundário (ou também chamado de padrão de trabalho) é aquele utilizado na atividade laboratorial, cujo valor é estabelecido por comparação a um padrão de referência.

O padrão primário: quais suas características

Quando falamos de padrão primário, o principal ponto que devemos ter em mente é que são substâncias (podendo também ser uma mistura) que devem possuir um alto grau de pureza (99,9% de pureza), caracterizada de forma adequada quanto à sua identificação, qualidade, teor e potência. 

Além disso, é importante que o padrão primário possua alta estabilidade quanto à sua pesagem. Isso porque a utilização em métodos de análise quantitativa de forma geral, é definida a partir diretamente da pesagem em balança analítica e do volume de solvente utilizado para a sua solubilização e diluição. 

Veja abaixo outras características que definem um padrão primário:

  • Substância de fácil obtenção, purificação, dessecação e conservação;
  • Não ser volátil;
  • Impurezas devem ser facilmente identificadas a partir de ensaios qualitativos e quantitativos;
  • Não deve possuir a capacidade de absorver a umidade do ambiente (higroscópica);
  • Não deve ser eflorescente;
  • Deve possuir solubilidade adequada.

Os padrões podem ser obtidos a partir de compêndios, ou então de outros fabricantes. Na segunda situação, quando os padrões não são adquiridos de formas compendiais, o pesquisador/usuário pode sintetizar o seu próprio padrão referência, devendo passar por todos os testes de caracterização, o que torna em certos casos inviável, pois em sua grande maioria os padrões são adquiridos a partir de empresas distribuidoras.  

Os laboratórios que distribuem os padrões realizam toda a caracterização do padrão fornecido, o que significa que o pesquisador, ao adquirir o produto não precisa ter a preocupação em realização a essas etapas, já que foi feita anteriormente, para que a substância se enquadrasse como um padrão de referência.

Qual a definição de um reagente primário?

O reagente primário é aquele que pode ser preparado diretamente, ou seja, pesado de forma direta com a maior precisão possível e diluído em um balão volumétrico, com solvente adequado (o que comumente é a água destilada ou deionizada). 

Então, o reagente primário tem as características de um padrão de referência, já que possui a mesma finalidade de permitir a identificação e quantificação de um determinado composto de interesse e de estudo. 

A caracterização dos padrões de referência

De forma geral, os padrões referência devem ser caracterizados atendendo as exigências da Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) 166 de 2017 e os fornecedores das substâncias de referência devem garantir a sua qualidade, a partir de certificados de qualidade de padrões de referência, os quais seguem as normas especificadas nas ISO, que vem do inglês International Organization for Standardization, que traduzindo para o português significa: Organização Internacional de Normalização. 

Sendo assim, é importante verificar a certificação dos fornecedores de padrões de referência, garantindo assim a qualidade e reprodutibilidade de seus resultados.

Esperamos que tenham gostado do conteúdo!

E não esqueça: se precisar de padrões de referências e serviços de caracterização e elucidação, fale com a Modum Tech!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Utilizamos seus dados para analisar e personalizar nossos conteúdos e anúncios durante a sua navegação em nosso site e em serviços de terceiros parceiros. Ao navegar pelo nosso site, você autoriza a Modum Tech a coletar tais informações e utilizá-las para estas finalidades. Em caso de dúvidas, acesse nossa Política de Privacidade.